Em comemoração aos 10 anos de instalação do Conselho Superior da Justiça do Trabalho (CSJT) foi lançado nesta sexta-feira o novo site do órgão colegiado. Produzido pela Assessoria de Comunicação Social em parceria com a Secretaria de Tecnologia da Informação e Comunicação do CSJT, o novo portal apresenta um visual mais clean que acompanha as tendências modernas de design.

A transparência e a divulgação das ações realizadas pelo Conselho foram priorizadas na nova página. O destaque fica por conta dos programas Trabalho Seguro, Combate ao Trabalho Infantil, Execução Trabalhista, Conciliação Trabalhista e Processo Judicial Eletrônico da Justiça do Trabalho (PJe-JT), que estão localizados logo no topo do site, bem como a Central Nacional de Atendimento e o Diário Eletrônico da JT, que agora estão em evidência.

O espaço dedicado às notícias também foi reformulado e ficou mais intuitivo. Além da notícia principal, que agora tem destaque para fotos, os internautas podem conferir as demais notícias do CSJT e da agência de notícias da Justiça do Trabalho. O novo espaço foi inaugurado com uma entrevista exclusiva do presidente do CSJT e do TST, Ministro Antonio José de Barros Levenhagen.

Homenagem – A reformulação do portal do CSJT é também uma homenagem às áreas de Comunicação Social dos Tribunais Regionais do Trabalho de todo o país, que utilizam seus respectivos sites como os principais veículos de comunicação institucional. Dessa forma, espera-se que o novo portal possa ser útil para promover o alinhamento de todos os sites que compõem a Justiça do Trabalho de 1º e 2º graus.

 

 

 

 

 

 

42Os magistrados de 1ª instância já podem votar na escolha dos membros do Comitê Gestor Regional para gestão e implementação da Política Nacional de Atenção Prioritária ao Primeiro Grau de Jurisdição. A votação online inicia hoje (1º/06) e vai até o dia 5 de junho, sexta-feira.

Quatro magistrados que atuam na 1ª instância estão concorrendo a duas vagas, titular e suplente, para compor o Comitê. O magistrado que obtiver o maior número de votos será eleito titular, sendo suplente o 2º colocado.

Ao todo, seis magistrados se inscreveram para participar do Comitê, sendo que dois já foram escolhidos pelo Tribunal Pleno, em sessão realizada no dia 20 de maio. Pela Resolução Administrativa nº 168/2015, foram eleitos os juízes Márcia Nunes da Silva Bessa, como membro titular; e Aldemiro Rezende Dantas Junior, como suplente.
O Tribunal Pleno também já escolheu dois servidores, dentre os inscritos, para compor o Comitê. São eles: Willian Feijó Rodrigues, titular; e Antônio Alencar Moreira, suplente.

Votação
Para acessar o sistema de votação, basta clicar no banner de destaque localizado na página inicial do site do TRT11. Para acessar agora, clique aqui. O sistema deve ser acessado por meio do login e senha de rede. Na página, aparecerão os nomes e as fotos dos candidatos. Após a votação, uma mensagem de confirmação será visualizada. Os magistrados candidatos são: Carolina de Souza Lacerda Aires França (juíza substituta), Djalma Monteiro de Almeida (titular da 1ª Vara do Trabalho de Manaus), Jeanne Karla Ribeiro Bezerra (juíza substituta), e João Alves de Almeida Neto (juiz substituto).

Sobre o Comitê
A criação do Comitê Gestor Regional para gestão e implementação da Política Nacional de Atenção Prioritária ao Primeiro Grau de Jurisdição no TRT11 visa atender a Resolução 194, do Conselho Nacional de Justiça (CNJ), que prevê o desenvolvimento, em caráter permanente, de iniciativas voltadas ao aperfeiçoamento da qualidade, da celeridade, da eficiência, da eficácia e da efetividade dos serviços judiciários da primeira instância do Tribunal.

A coordenadora do grupo é a desembargadora Francisca Rita Alencar Albuquerque, indicada pela Resolução Administrativa nº 32/2015, juntamente com a desembargadora Ruth Barbosa Sampaio, indicada como suplente.

Além dos magistrados e servidores eleitos, poderão participar do Comitê um magistrado indicado pela Associação dos Magistrados da Justiça do Trabalho da 11ª Região (Amatra) e um servidor do SITRAAM-RR, que não terão direito a voto.


Mais informações:
(92) 3621-7317 (Gab. Des. Ruth Sampaio)

54A presidente do Tribunal Regional do Trabalho da 11ª Região, desembargadora Maria das Graças Alecrim Marinho, empossou, na tarde desta sexta-feira, 29 de maio, dois novos servidores. A breve solenidade ocorreu no gabinete da presidência.


Luiz Gustavo Sanches Montarda, 36 anos, Psicólogo; e Jeniely Nascimento Ajambuja, 33 anos, Administradora, foram empossados como Técnicos Judiciários. Após prestarem juramento, a presidente do Regional desejou aos récem-empossados uma ótima fase com muito trabalho e sucesso no Regional.


Confira a galeria de imagens.

53A presidente do TRT da 11ª Região, desembargadora Maria das Graças Alecrim Marinho, alterou, por meio da Portaria 1065/2015, a composição do Comitê Gestor Regional do Processo Judicial Eletrônico da Justiça do Trabalho (PJe-JT).

O grupo tem como responsabilidade e acompanhar o funcionamento do sistema no Regional e propor ao Comitê Gestor Nacional alterações visando ao aprimoramento da ferramenta; observando as normas expedidas pelo Conselho Superior da Justiça do Trabalho e pelo Comitê Gestor Nacional.

O comitê será presidido pela desembargadora presidente Maria das Graças Alecrim Marinho, e conta com oito membros, entre magistrados e servidores do TRT11. O Comitê integra, ainda, representantes da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) e do Ministério Público do Trabalho da 11ª Região.

A comissão está assim composta:

Presidente

  • Desembargadora Maria das Graças Alecrim Marinho

Membros

  • Márcia Nunes da Silva Bessa, juíza titular da 4ª VT de Manaus;
  • Maria de Lourdes Guedes Montenegro, juíza titular da 16ª VT de Manaus;
  • Ricardo Marques de Lima, secretário-geral da Presidência, representando o 2°grau da jurisdição;
  • Valdecimar Brito Maciel, diretora de secretaria, representante do 1° grau de jurisdição;
  • Michel Cunha de Souza, assistente-chefe da Seção de Serviços Essenciais, representante da área de tecnologia da informação;
  • Cláudio José Limongi Batista, diretor da Assessoria de Comunicação Social;
  • Anelson Brito de Souza, advogado indicado pela ordem dos Advogados do Brasil - seccional do Amazonas;
  • Alzira Melo Costa, procurador do trabalho, indicada pela Procuradoria Regional do Trabalho da 11ª Região.

51Licitação sustentável, consumo consciente, eficiência energética e uso racional da água nos órgãos públicos são alguns dos temas que estão sendo debatidos na segunda edição do Seminário de Planejamento Estratégico Sustentável do Poder Judiciário, que está acontecendo em Brasília, no Superior Tribunal de Justiça (STJ). O evento começou ontem, 28 de maio, e segue até esta sexta-feira. Estão representando o TRT da 11ª Região no encontro os servidores Denise Herzog e Vicente Fernandes Tino, da Seção de Serviço Social e Gestão Socioambiental.

Já palestraram Ketlin Feitosa de Albuquerque Lima Scartezini, chefe da Assessoria de Gestão Socioambiental do STJ; Ana Carla Leite de Almeida, do Departamento de Cidadania e Responsabilidade Socioambiental do Ministério do Meio Ambiente (MMA); Cláudia Amorim, coordenadora do Laboratório de Controle Ambiental da Universidade de Brasília (UnB), e o arquiteto Mário Viggiano, do Senado Federal.

Problemática, estratégias e resultados práticos deram a tônica das apresentações. “Infelizmente, as pessoas ainda ignoram o conteúdo da palavra sustentabilidade. Não é só poupar árvore”, disse Ketlin Feitosa.

Compra sustentável
Ana Carla Leite, do MMA, falou dos impactos de uma licitação sustentável dentro e fora do órgão. Segundo ela, o governo despende anualmente mais de R$ 600 bilhões com aquisição de bens e contratações, montante que mobiliza vários setores da economia, da indústria ao varejo.

“Quem são os fornecedores? Como eles trabalham? Onde está a responsabilidade sustentável no fornecimento, na cadeia do produto? Você está comprando esse produto, mas você sabe por que ele é sustentável?”, questionou ela.

Os arquitetos Cláudia Amorim e Mário Viggiano apresentaram alternativas aos órgãos públicos para um menor impacto ambiental e maior ganho social na questão energética e no uso racional da água.

Os palestrantes falaram sobre aproveitamento de luz natural, projetos de climatização, etiquetagem de eficiência energética dos edifícios, aproveitamento da água das chuvas. Ao final das apresentações, os participantes puderam fazer perguntas técnicas sobre o que foi apresentado.

Resultados práticos
Ketlin Feitosa, da Assessoria de Gestão Socioambiental do STJ, apresentou os resultados práticos dessa mudança de paradigma dentro do tribunal. Ela citou o fim dos estoques paralelos, para os quais as seções pediam material além do que precisavam, e deu como exemplo de compra desnecessária um pedido para aquisição de 22 carrinhos de transporte de processos em plena era do processo eletrônico.
Também citou campanhas internas, como a do copo descartável, para incentivar os servidores a trazer seus próprios copos, e a distribuição de recipientes para descarte de papéis nas mesas dos servidores.

“Em apenas dois anos de aplicação desse consumo consciente, economizamos para o contribuinte mais de R$ 6 milhões”, afirmou.

Ketlin concluiu sua apresentação reforçando a ideia de que o sucesso do trabalho depende de uma aplicação sistêmica dentro do órgão, o que deve começar com o engajamento da cúpula das instituições.

“A unidade ou núcleo socioambiental tem de estar ligado à alta administração. Não vamos conseguir mudar de baixo para cima. Todas essas ações têm de estar descritas no planejamento estratégico da instituição, porque vai dar responsabilidade para todo mundo que está ali dentro”, finalizou.

Fonte: Com informações do STJ

A Escola Judicial do TRT da 10ª Região oferece cinco vagas para magistrados de todo o Brasil para participar da Oficina de Preparação para Aposentadoria, que ocorrerá no dia 19 de junho do corrente ano, no horário das 14h às 19h, em Brasília.

A atividade tem por objetivo favorecer o processo de planejamento para a aposentadoria, promovendo reflexões e discussões sobre o tema, sensibilizando os participantes para a elaboração do esboço de um projeto de vida para a aposentadoria.

A facilitadora da Oficina será a Professora Doutora em Psicologia Social e do Trabalho Sheila Giardini Murta, notória especialista no tema e capacitou os servidores que conduzem Oficinas do Programa Saber Viver, no ano de 2012. As oficinas breves buscam despertar a consciência, os desejos, os planos de ação e o engajamento em ações de autocuidado, a partir das indagações sobre a aposentadoria, sobre as atividades relacionadas à autonomia (saúde física, emocional e financeira), aos laços afetivos (convivência familiar, por exemplo) e à ocupação (hobbies, trabalhos voluntários, segunda profissão, etc). As oficinas utilizam-se da ferramenta Modelo Transteórico de Mudança, desenvolvido por Prochaska & DiClemente, e com base na metodologia adotada pela Universidade de Brasília (UnB).

49

Os desembargadores Lairto José Veloso, Vice-Presidente, e Ormy da Conceição Dias Bentes, Corregedora Regional, encontram-se em Brasília (DF) para participar da 4ª Reunião do Colégio de Presidentes e Corregedores dos Tribunais Regionais do Trabalho - Coleprecor, que teve início ontem, 27, na sede do Tribunal Superior do Trabalho.

A reunião foi aberta com o pronunciamento do Ministro Barros Levenhagen, Presidente do Conselho Superior da Justiça do Trabalho (CSJT) e Tribunal Superior do Trabalho (TST).

Veja Galeria de Imagens.

50A presidente do Tribunal Regional do Trabalho da 11ª Região, desembargadora Maria das Graças Alecrim Marinho, prestigiou, na manhã desta quinta-feira, 28 de maio, a entrega do Título de Cidadão do Amazonas ao comandante-militar da Amazônia, general do Exército Guilherme Cals Theophilo Gaspar de Oliveira. O título foi entregue em sessão especial, no plenário Ruy Barbosa, na Assembleia Legislativa do Amazonas.


O general é natural do Rio de Janeiro, onde nasceu em 1955. Veio para Manaus em 2011, transferido pelo Exército, mas já havia morado na cidade quando criança. Respondia pelo 12ª Região Militar até o ano passado, quando assumiu o CMA. Seu currículo de ações nas Forças Armadas é extenso, e envolve atuação nas Nações Unidas, como membro do Grupo de Trabalho do Instituto de Desarmamento e Pesquisa das Nações Unidas.


Confira a galeria de imagens.

48O acordo judicial firmado perante a 1ª Vara do Trabalho de Boa Vista, entre o Ministério Público do Trabalho em Roraima (MPT 11ª Região), a Missão Evangélica Caiuá e a União Federal, pôs fim à ação civil pública a qual gerou amplo debate a respeito da implementação de condições de trabalho adequadas para os profissionais da área de saúde que prestam serviços em comunidades indígenas em Roraima e no Amazonas, sem prejuízo à cultura e aos costumes dos povos indígenas que habitam os locais.

Ficou determinado que, a partir de agora, entre os requisitos para contratação de trabalhadores pela União Federal para atuarem no subsistema de atenção à saúde indígena está o de oferecer um curso de no mínimo 30 horas/aula de conhecimento de antropologia, do próprio subsistema de atenção e de conhecimento das etnias para as quais irão prestar serviços, como usos, costumes, línguas, prática de saúde tradicional e medicina tradicional indígena, devendo ser cientificado aos trabalhadores as condições que irão encontrar.

Além disso, também ficou pactuado que será pago um adicional de insalubridade, no grau médio, aos trabalhadores, correspondente a 20% do valor do salário; as escalas de trabalho serão de 30 dias trabalhados por 15 dias de descanso e de 20 dias trabalhados por 10 dias de descanso. Também será apresentado um estudo de viabilidade para execução de uma terceira escala no ano de 2016, de 15 dias trabalhados por 15 dias de descanso, sem prejuízo das outras duas já estabelecidas.
A União Federal também está obrigada, no prazo de três meses, a implementar condições de saúde, higiene e segurança, nos pólos de Canta Galo (Distrito Leste) e Alto Catrimani (Distrito Yanomami). Esses pólos servirão de modelo e, a partir daí, todas as unidades básicas de saúde deverão ser equipadas da mesma forma.

Após o prazo de três meses, será realizada inspeção, por meio da Justiça do Trabalho, junto com representantes do MPT e da União Federal, a fim de atestar o cumprimento das obrigações.

Relembre o caso
No ano de 2012, o Ministério Público do Trabalho no Amazonas ingressou com uma ação civil pública (ACP) na Justiça do Trabalho contra a Organização Não Governamental (ONG) Missão Evangélica Caiuá, entidade que promove a contratação dos profissionais de saúde para atuarem nas áreas indígenas, e contra a União, que por meio da Secretaria Especial de Saúde Indígena (Sesai), é a concedente do convênio com a ONG e responsável pela saúde e proteção dos índios.

O objetivo da ACP era de assegurar melhores condições de trabalho para os profissionais da área de saúde que prestam serviços nas comunidades indígenas de Roraima.

Em agosto de 2014, uma audiência pública foi realizada em Boa Vista/RR, onde debateu-se a questão de como conceder melhores condições de trabalho aos agentes de saúde sem que houvesse intervenção na cultura e nos costumes dos indígenas. Foram ouvidas todas as partes envolvidas. Na ocasião, o Juiz do Trabalho Raimundo Paulino Cavalcante Filho, que conduziu a reunião, explicou que após a audiência pública seria realizado novo encontro entre as partes em audiência judicial.

No último dia 30 de abril, o referido acordo foi firmado, estendendo as obrigações de adoção das medidas pela União Federal não só para o Estado de Roraima, alvo prioritário da ação, mas também para o Amazonas.

Fonte: MPT-AM

''O Poder Judiciário e a Consolidação da Democracia: O Papel da Justiça na Sociedade Contemporânea'' é o tema do XXl Congresso de Magistrados que será realizado pela Associação dos Magistrados Brasileiros - AMB no Rio Quente Resorts, no Estado de Goiás, entre os dias 29 e 31 de outubro de 2015. O congresso pretende promover uma ampla discussão sobre temas que envolvem a Justiça e seu papel na vida dos cidadãos.


O evento contará com palestras com palestras, painéis e mesas-redondas que vão abordar, entre outras questões, a democratização do sistema de Justiça; ações coletivas e o excesso de litigância no Brasil; direitos humanos; valorização da magistratura; formas alternativas de solução de conflitos; desafios para o Judiciário na sociedade contemporânea; o novo Código de Processo Civil (CPC); processo penal e sistema penitenciário; a percepção da sociedade sobre a Justiça; e experiências na aposentadoria da magistratura.


Confira mais informações no site do evento