968Durante o mês de novembro, diversas instituições se aliam ao movimento “Novembro Azul”. O objetivo principal é alertar os homens sobre a importância da prevenção e do diagnóstico precoce do câncer de próstata. O site do TRT da 11ª Região também aderiu e está com as cores da campanha. Saiba mais a seguir sobre esse tipo câncer, os fatores de risco e como se prevenir.

A próstata é uma glândula que só o homem possui. Ela tem o formato aproximado de uma castanha e está situada logo abaixo da bexiga e à frente do reto. A próstata envolve a porção inicial da uretra, tubo pelo qual a urina armazenada na bexiga é eliminada. A próstata produz uma secreção fluida para nutrição e transporte dos espermatozoides.

Ao longo da vida a glândula pode desenvolver três doenças: a prostatite (inflamação), a hiperplasia prostática benigna – HPB (crescimento benigno) e o câncer.

A prostatite pode atingir cerca de 30% dos homens. Pode causar ardor, queimação ou um desconforto junto ao orgasmo, esperma de cor amarelada e vontade frequente para urinar. A principal causa para a doença são uretrites, como a gonorreia, após relacionamentos com parceiras com infecções ginecológicas e ainda após relação anal sem preservativo.

Já a HPB pode atingir cerca de 50% dos homens acima de 50 anos e provoca aumento da frequência urinária diurna, diminuição da força e do calibre do jato urinário, demora para iniciar a micção, sensação de urgência para urinar, entre outros sintomas.

O câncer, por sua vez, não costuma apresentar sintomas nas fases iniciais, quando em 90% dos casos pode ser curado. Ao apresentar sintomas significa já estar numa fase mais avançada e pode causar vontade de urinar com frequência, presença de sangue na urina ou no esperma.

No Brasil, o câncer de próstata é o segundo mais comum entre os homens (atrás apenas do câncer de pele não-melanoma). Mais do que qualquer outro tipo, é considerado um câncer da terceira idade, já que cerca de três quartos dos casos no mundo ocorrem a partir dos 65 anos.

Alguns desses tumores podem crescer de forma rápida, espalhando-se para outros órgãos, podendo levar à morte. A grande maioria, porém, cresce de forma lenta, podendo levar cerca de 15 anos para atingir 1 cm³.

Conforme estimativa do Instituto Nacional de Câncer em 2018 devem ser registrados no Brasil 68.220 casos de câncer de próstata. Para o Amazonas são estimados 580 casos, e destes,360 na Capital. Dados do Sistema de Informações de Mortalidade do Ministério da Saúde indicam que houve 14.926 mortes por câncer de próstata no Brasil em 2016. Destas, 180 ocorreram no Amazonas.

Fatores de risco:
Idade – No Brasil, a cada 10 homens diagnosticados com câncer de próstata, 9 têm mais de 55 anos.
Histórico familiar de câncer de próstata – Homens cujo pai ou irmão tiveram câncer de próstata antes dos 60 anos.
Raça – Homens negros.
Obesidade
Sedentarismo

Como prevenir:
Práticas saudáveis diminuem o risco de várias doenças, inclusive o câncer. Manter alimentação saudável e o peso corporal adequado, praticar atividades físicas, não fumar, evitar o consumo de bebidas alcoólicas, são medidas que auxiliam na prevenção do câncer, incluindo o de próstata.

Quais exames são utilizados para investigar o câncer de próstata?

Exame de toque retal
O médico avalia tamanho, forma e textura da próstata, introduzindo o dedo protegido por uma luva lubrificada no reto. Este exame permite palpar as partes posterior e lateral da próstata.

Exame de PSA
É um exame de sangue que mede a quantidade de uma proteína produzida pela próstata, o Antígeno Prostático Específico (PSA). Níveis altos dessa proteína podem significar câncer, mas também doenças benignas da próstata. A interpretação deste exame e a definição da conduta sempre deve ser feita pelo médico, analisando todas as particularidades de cada caso.

Biópsia
Para confirmar a doença é preciso fazer uma biópsia. Nesse exame são retirados pedaços muito pequenos da próstata para serem analisados no laboratório. A biópsia pode ser indicada caso seja encontrada alguma alteração nos exames de rastreamento.
Cabe ao médico avaliar cada caso individualmente e indicar os procedimentos necessários àquela pessoa.

Fontes: Sociedade Brasileira de Urologia e Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva.

Texto: Evandro Carlos Miola, Médico do Trabalho do TRT11

 

 


Nova Logo Trabalho Seguro 02

Banner Programa de combate ao trabalho infantil

PJe 2 02

icones logo 3

icones logo 2