Centro de conciliação da Justiça do Trabalho homologou, no total, 959 acordos em Manaus

1063Cejusc-JT funciona no 3º andar do Fórum Trabalhista de ManausO Centro Judiciário de Métodos Consensuais de Solução de Disputas (Cejusc-JT) do Tribunal Regional do Trabalho da 11ª Região (TRT11), em Manaus, fechou o ano de 2018 com mais de R$ 22 milhões em acordos. Segundo o balanço do Centro de Conciliação, foram realizadas 1.523 audiências ao longo de pouco mais de oito meses desde a inauguração do Cejusc-JT, em abril de 2018.

Ao todo, 959 acordos entre empregadores e trabalhadores foram homologados, representando um percentual de 63% de índice de conciliação nas audiências realizadas. O Cejusc-JT foi criado com a proposta de agilizar a solução de conflitos trabalhistas por meio de acordos. Para isso, presta um serviço diferenciado e direcionado exclusivamente para fomentar a solução alternativa do conflito trabalhista.

“Nas audiências realizadas nas Varas do Trabalho, as partes contam com um momento que dura apenas entre cinco a dez minutos para fazer um acordo. No Cejusc-JT é diferente. Cada tentativa de conciliação pode durar até 40 minutos. Esse tempo é necessário para que as partes possam conversar sobre o que as trouxe à Justiça do Trabalho e construir juntas um acordo”, explica o juiz do trabalho Mauro Braga, coordenador do Cejusc-JT, que frisou, ainda, a cooperação das Varas do Trabalho e dos Gabinetes do TRT11 no envio dos processos físicos e eletrônicos para serem pautados no Centro de Conciliação.

O magistrado também destacou a realização, ao longo de 2018, de 16 pautas temáticas, que reuniu processos de vários reclamantes contra a mesma empresa. A estratégia contribuiu para o comparecimento das partes e a organização do trabalho, tornando o ambiente ainda mais propício para o restabelecimento do diálogo. Entre as empresas que mais conciliaram estão a Microsoft Mobile Tecnologia Ltda, Supermercados DB e o Banco Santander.

O Cejusc-JT funciona no 3º andar do Fórum Trabalhista de Manaus e conta com seis salas de conciliação, com capacidade para realizar até 50 audiências por dia. As 19 Varas do Trabalho de Manaus identificam os processos com maior possibilidade de acordo e remetem ao Cejusc-JT que, por sua vez, notifica os interessados para comparecerem à audiência de conciliação e mediação. Além disso, as partes também podem requerer junto às Varas que seus processos sejam remetidos ao Cejusc-JT. Se não houver acordo, o processo volta para a Vara do Trabalho e segue o seu trâmite.

As tentativas de acordo são mediadas por servidores do TRT11, que foram capacitados para atuar nessa função. Eles são supervisionados pelo juiz coordenador do Cejusc-JT, responsável por homologar os acordos.

 

ASCOM/TRT11
Texto: Andreia Nunes
Foto: Renard Batista
Esta matéria tem caráter informativo, sem cunho oficial.
Permitida a reprodução mediante citação da fonte.
Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.

Tel. (92) 3621-7238/723

 

Objetivo do encontro foi traçar estratégias para fomentar a contratação de jovens aprendizes

1062Os gestores regionais do Programa de Combate ao Trabalho Infantil e Estímulo à Aprendizagem do TRT da 11ª Região, desembargador Jorge Álvaro Marques Guedes e o juiz do trabalho Mauro Braga, se reuniram na manhã desta segunda-feira, 07/01, com o presidente da Ordem dos Advogados do Brasil – Seccional Amazonas (OAB/AM), Marco Aurélio Choy e auditores fiscais do trabalho para debater estratégias para fomentar a contratação de jovens aprendizes.

O desembargador Jorge Álvaro Marques Guedes fez a abertura do encontro e ressaltou a importância da atuação conjunta das instituições para o êxito nas ações de estimulo à aprendizagem.

O coordenador do Fórum Estadual de Prevenção e Erradicação do Trabalho Infantil e Proteção ao Trabalhador Adolescente (Fepeti), o auditor do trabalho Emerson Vítor Hugo Costa, explicou sobre as modalidades de contratação do jovem aprendiz, dando destaque a uma modalidade alternativa de contratação em que empresas que não possuem condições de receber os jovens aprendizes, seja porque não tem uma estrutura adequada ou porque atuam em atividades perigosas, financiam a contratação de jovens aprendizes para atuar exclusivamente em órgãos públicos e entidades sem fins lucrativos.

“Empresas de transporte de valores, vigilância, navegação fluvial, por exemplo, não têm condições de recepcionar os jovens aprendizes, e para que não deixem de cumprir a cota, existe a modalidade alternativa. Essas empresas podem, por meio da Fiscalização do Trabalho ou diretamente, assinar um convênio com órgãos públicos ou entidades sem fins lucrativos para que os jovens contratados atuem nesses locais”, explicou.

O juiz do trabalho Mauro Braga ressaltou o impacto social da contratação do jovem aprendiz, principalmente aquele em situação de vulnerabilidade. “O objetivo é retirar o jovem de uma situação de vulnerabilidade social, como o trabalho infantil, e oferecer uma oportunidade, um trabalho protegido, e que ele possa continuar no caminho da educação. E tendo acesso ao ambiente de órgãos públicos, como o Judiciário, Universidades, sem dúvida, ele vai ter contato com uma ampla gama de possibilidades de crescimento pessoal e profissional. É uma mudança de vida”, disse.

O presidente da OAB/AM, Marco Aurélio Choy, manifestou interesse em participar do projeto para a contratação e recepção do jovem aprendiz. Conforme explica Emerson Vítor Hugo Costa, a modalidade alternativa já proporcionou, desde agosto do ano passado, a contratação de mais de 1.000 jovens em dez instituições, sendo 300 deles provenientes de projetos de capacitação de jovens de baixa renda e em situação de vulnerabilidade social.

 

ASCOM/TRT11
Texto: Andreia Nunes
Foto: Renard Batista
Esta matéria tem caráter informativo, sem cunho oficial.
Permitida a reprodução mediante citação da fonte.
Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.

Tel. (92) 3621-7238/723

 

 

 

1061O vice-presidente do Tribunal Regional do Trabalho da 11ª Região – Amazonas e Roraima (TRT11), desembargador José Dantas de Góes, participou da cerimônia de posse do governador eleito do Amazonas, Wilson Lima, e o vice-governador eleito, Carlos Almeida. A cerimônia foi realizada na tarde desta terça-feira (1º/01), no Teatro Amazonas, Centro, zona sul de Manaus.

Wilson Lima é o governador mais votado da história do Amazonas, com 1.033.950 votos obtidos nas urnas na eleição de 2018, o equivalente a 58,50% dos votos válidos.

Natural de Santarém, no Pará, Wilson Lima, 42 anos, é formado em Jornalismo pela Universidade Nilton Lins. Casado com Taiana Lima, professora do ensino fundamental na rede pública de Manaus. Wilson é pai de Ugo, 20, e Úrsula, 18.

Confira Galeria de Imagens.

 

Com informações da Secom

807A paralisação do transporte coletivo em Manaus foi suspensa na noite desta sexta-feira, 21/12, após acordo mediado pelo presidente do TRT11, desembargador Lairto José Veloso.

Por sugestão do Tribunal, a Prefeitura de Manaus irá realizar um adiantamento para que o Sindicato das Empresas de Transporte de Passageiros do Estado do Amazonas (Sinetram) possa cumprir as obrigações salariais com os rodoviários.

A negociação finalizou a greve e os ônibus passaram a circular normalmente neste sábado (22/12).

1059Reunião foi realizada no auditório do Fórum Trabalhista de ManausO presidente do TRT da 11ª Região, desembargador Lairto José Veloso, e a corregedora regional, desembargadora Ruth Barbosa Sampaio, se reuniram com os juízes de Primeiro Grau, no auditório do Fórum Trabalhista de Manaus, no dia 19 de dezembro.

A reunião teve como proposta tratar de assuntos de interesse da Justiça do Trabalho, visando sua modernização e o aprimoramento constante da sua prestação jurisdicional.

Durante o encontro, a coordenadora do Núcleo de Apoio ao PJe e e-Gestão (Nape), desembargadora Márcia Nunes da Silva Bessa reiterou algumas recomendações, como a digitalização de todos os processos físicos existentes no Tribunal para inseri-los no sistema Processo Judicial Eletrônico (PJe). Como resultado, busca-se a melhoria das informações estatísticas do Tribunal e a correção de inconsistências do sistema na estatística e a padronização do Regional, além de tornar o acervo processual do Regional 100% eletrônico.

Outro assunto em debate pela coordenadora do Nape foram os procedimentos de inclusão e retirada dos débitos das executadas no Banco Nacional de Devedores Trabalhistas (BNDT), no sentido de garantir que tanto a inclusão quanto a retirada do registro no sistema PJe, no caso de pagamento integral da dívida, sejam realizados de forma adequada e precisa.

1060Na ocasião, a corregedora do regional, desembargadora Ruth Barbosa Sampaio, ressaltou durante a reunião as ações do projeto Justiça do Trabalho Itinerante, que tem como finalidade ampliar a atuação da Justiça do Trabalho, levando o atendimento jurisdicional às cidades que não possuem sedes de Varas do Trabalho e que uma das metas para 2019 é ampliar a parceria, via Termos de Cooperação ou Convênios, com outros Tribunais, órgãos ou entes públicos da jurisdição para a realização de itinerâncias conjuntas, contribuindo para a redução dos custos, uma vez que a Justiça do Trabalho ainda sofre com cortes orçamentários.

Também participaram do encontro a juíza do trabalho auxiliar da Corregedoria, Edna Maria Fernandes Barbosa, e os juízes titulares de vara e juízes do trabalho substitutos.

 

 

 

 

 

ASCOM/TRT11
Texto: Andreia Nunes
Foto: Delival Cardoso
Esta matéria tem caráter informativo, sem cunho oficial.
Permitida a reprodução mediante citação da fonte.
Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.

Tel. (92) 3621-7238/723

 

 

 

 

1058
Um acordo realizado na Vara do Trabalho de Tabatinga/AM pôs fim a um processo envolvendo uma caseira de sítio que pedia o reconhecimento de vínculo empregatício com o proprietário do imóvel rural em que ela residia e trabalhava e o pagamento de verbas rescisórias. O acordo foi homologado pela juíza titular da VT Gisele Araújo Loureiro de Lima.

A reclamante alega na petição inicial que foi convidada a trabalhar como caseira, mediante o pagamento de um salário mínimo. Ela morou e trabalhou no local por dez anos, no período de 2008 e 2018, mas não recebeu o pagamento e não teve a carteira de trabalho assinada. A trabalhadora também argumentou que construiu, com seus próprios recursos, uma casa de madeira no terreno do reclamado.

Ao ser dispensada, a reclamante, que é cidadã peruana, alegou que foi ameaçada de despejo pelo proprietário do imóvel, por isso requereu medida de urgência para não ser despejada. Em decisão liminar, a Justiça do Trabalho determinou que o reclamado providenciasse o pagamento e uma hospedaria para a reclamante até o dia do pagamento das verbas rescisórias.

Pelo acordo, o reclamado se comprometeu com o pagamento de R$ 7.500,00, resultante da metade do valor de avaliação da casa que construiu e ocupou no imóvel, além do pagamento de hospedaria para a reclamante até o pagamento da última parcela.

De idade avançada e origem peruana, a reclamante contou com o apoio dos advogados para a tradução no momento de seu depoimento.

Visita de Cortesia

A juíza titular da VT de Tabatinga Gisele Araújo Loureiro de Lima realizou uma visita de cortesia ao Comandante do Comando de Fronteira Solimões 8º Batalhão de Infantaria de Selva, Coronel Francisco de Assis Costa Almeida Júnior. O militar desejou muito sucesso e felicidades no exercício da titularidade. Para a magistrada, é muito importante estreitar os laços da Justiça do Trabalho e os demais órgãos, especialmente por se tratar da Tríplice Fronteira.

A juíza do trabalho Gisele Araújo Loureiro de Lima tomou posse como titular da VT de Tabatinga em cerimônia realizada no TRT11, em Manaus, no dia 29 de novembro de 2018.

 

ASCOM/TRT11
Texto: Andreia Nunes
Foto: VT de Tabatinga
Esta matéria tem caráter informativo, sem cunho oficial.
Permitida a reprodução mediante citação da fonte.
Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.

Tel. (92) 3621-7238/723

 

 

Ouvidoria Materia 2

O atendimento realizado pela Ouvidoria do TRT da 11ª Região será suspenso no período do recesso forense, de 20/12/2018 a 06/01/2019.

Nesse período, as manifestações poderão ser realizadas através do Formulário Eletrônico disponível na página da Ouvidoria (ouvidoria.trt11.jus.br) e no Aplicativo: Ouvidoria TRT11, disponível na Google Play e App Store. As manifestações também podem ser enviadas diretamente para o e-mail Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.

A análise e o encaminhamento das manifestações somente serão realizados a partir do dia 07/01/2019.

O recesso forense está previsto no art.60 da Lei 11.697/2008.

1056A Ouvidoria do TRT da 11ª Região passará a atender no 3º andar do Fórum Trabalhista de Manaus, localizado na rua Ferreira Pena, 546, Centro. Antes, o atendimento era realizado no térreo do prédio. Esse novo espaço visa garantir conforto e privacidade aos usuários que procuram pelos serviços.

A Ouvidoria do Regional atende diariamente o público interno e externo, por meio eletrônico, pessoalmente ou mediante contato telefônico, recebendo solicitações, sugestões, reclamações, denúncias e elogios. É um canal de comunicação, imparcial e independente, consolidada como instrumento de democracia participativa.

A Corregedora-Ouvidora, Desembargadora Ruth Barbosa Sampaio, enfatizou que a nova sala também atende às exigências do Conselho Nacional de Justiça - CNJ e do Conselho Superior da Justiça do Trabalho - CSJT para a valorização do trabalho das Ouvidorias. Destacou, ainda, a importância da Ouvidoria como elemento de gestão participativa com a finalidade da efetivação na busca constante de melhoria dos serviços jurisdicionais.

A Ouvidoria representa cada cidadão, recebendo suas manifestações, encaminhando-as aos órgãos competentes e monitorando-as até uma resposta final. A Ouvidora acolhe a demanda, busca a solução e dá a resposta, que pode até ser verbal, se for simples. Se houver inquérito interno, a questão tem de ser encaminhada formalmente, procedendo, neste caso, a abertura de um processo.

O atendimento presencial também é realizado no 4º andar do prédio-sede, localizado na rua Visconde de Porto Alegre, 1265, Praça 14 de Janeiro, em Manaus.

 

ASCOM/TRT11
Texto: Ouvidoria, com edições da Ascom
Arte: Renard Batista
Esta matéria tem caráter informativo, sem cunho oficial.
Permitida a reprodução mediante citação da fonte.
Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.

Tel. (92) 3621-7238/723

1055O Juízo Auxiliar da Presidência do TRT da 11ª Região realizou diversas audiências para tentativas de conciliação em processos que estão na fase de recurso de revista, conforme previsto na Resolução Administrativa nº 197/2016.

O trabalho, realizado pelo Juiz Adilson Maciel Dantas, iniciou em julho de 2017 e o resultado foi o comparecimento expressivo das partes, com presença em cerca de 80% das audiências agendadas, e um número significativo de acordos.

Das audiências realizadas no período, foi obtido índice de conciliação superior a 75%, totalizando R$ 988 mil em acordos

A conciliação na fase de recurso de revista possibilita que as partes que já tinham passado por julgamentos na primeira e segunda instâncias tivessem mais uma oportunidade de resolver a lide sem ter que enviar os autos ao terceiro grau de jurisdição ou, quando isso já havia ocorrido, sem ter que aguardar o posicionamento do Tribunal Superior do Trabalho para por fim à questão.

Normalmente, antes do exame de admissibilidade para o TST, era feita uma triagem a fim de verificar se havia razoável possibilidade de acordo entre as partes e em caso afirmativo, o processo era incluído na pauta das audiências conciliatórias do Juízo Auxiliar da Presidência.

Outra possibilidade era quando uma das parte peticionava nos autos, solicitando a inclusão do processo na pauta de audiências.

Entre as vantagens da conciliação em processos na fase de recurso de revista está a redução no tempo de tramitação do processo e nos custos para o empregador, tendo em vista que o reclamante recebe seu crédito mais rápido e a empresa evita despesas, como a incidência de juros e correção monetária.

 

ASCOM/TRT11
Texto: Juízo Auxiliar
Arte: Renard Batista
Esta matéria tem caráter informativo, sem cunho oficial.
Permitida a reprodução mediante citação da fonte.
Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.

Tel. (92) 3621-7238/723

Prazos processuais são suspensos durante o recesso e em janeiro de 2019

1053

O Tribunal Regional do Trabalho da 11ª Região (TRT11) informa que, de acordo com a Resolução n° 244/2016 do Conselho Nacional de Justiça (CNJ) será suspensa a contagem dos prazos processuais entre 20 de dezembro e 20 de janeiro, período no qual não serão realizadas audiências e sessões de julgamento, como previsto no art. 220 do Código de Processo Civil (art. 3º). A matéria também consta no artigo 775-A da CLT, acrescido pela PLC 100/2017, sancionada no dia 19 de dezembro de 2017.

Esta suspensão, que ocorre em todos os órgãos do Poder Judiciário, inclusive da União, não prejudicará o expediente forense normal, executado no período de 7 a 20 de janeiro, quando magistrados e servidores exercerão suas atribuições regulares, ressalvado férias individuais. Neste período, os processos poderão ser decididos, despachados, organizados e analisados.

Acesse AQUI a Resolução n° 244/2016 na íntegra.
Acesse AQUI texto do artigo 775-A da CLT.

Como fica o funcionamento do TRT11:

• De 20 de dezembro de 2018 a 6 de janeiro de 2019 - Sem expediente, prazos suspensos, atendimento em sistema de plantão.
• De 7 a 20 de janeiro de 2019 - Atividades com expediente normal, porém os prazos permanecerão com a contagem suspensa.